CT ABCCT é oficializado e chega para movimentar as corridas do cavalo trotador

Na pista dá para acompanhar a corrida inteira

A necessidade de ter um espaço próprio, com pista para treinamento dos cavalos trotadores, sempre foi grande e na noite da última quarta-feira, 15, o presidente e diretores da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Trotador – se reuniram para assinar o contrato de arrendamento do Espaço San Marino, que agora se transforma no Centro de Treinamento ABCCT. O objetivo é movimentar a raça, com treinos todos os sábados e a realização de pelo menos um grande evento mensal no local.

Com quatro pavilhões de cocheiras já locados pela Associação, o espaço começa com as mais de 50 cocheiras praticamente todas ocupadas, o que garante movimentação no treinamento. “Na verdade, queremos realizar treinos todos os sábados, como acontecia antigamente e também estamos estudando medidas para que os associados possam ser sempre os maiores beneficiados com o nosso Centro de Treinamento”, disse Tato Marques, presidente da entidade.

O foco da diretoria agora é a inauguração do CT, por isto está na busca de toda documentação necessária para poder anunciar o seu primeiro grande evento. “Queremos fazer esta inauguração já para o próximo mês, mas dependemos da parte burocrática. Assim que tivermos tudo certo, iremos divulgar amplamente a data”.

A valorização da criação nacional é outra meta da entidade, pois nos últimos anos o investimento tem sido grande e os resultados já podem ser vistos nas pistas, com maior número de cavalos brasileiros disputando em igual condições entre animais argentinos. “A realização da Copa dos Campeões e Campeãs deste ano mostra isto e já foi a realização de um sonho para todos nós, além do Debut realizado que também confirmou a alta qualidade dos nossos animais. Com o CT, a possibilidade de movimentarmos a raça será ainda maior”, continuou Tato.

Participaram da reunião, além do presidente Tato, os diretores Emanuel Giarola, Guilherme Lopes, Renato Ferreira, Marcelo Duarte, Sandro Oliveira e Mário Vicensio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *